Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“Não é só querido e fofinho, é um trabalhador.”

por Maria Joana Almeida, em 30.03.18

 

val_marques_nada_e_mais_deficiente_que_o_preconcei

 

 

“Um projecto internacional procura criar uma rede de hotéis e restaurantes que recebam estágios de pessoas com Trissomia 21 e dificuldades intelectuais. Em Portugal ainda são poucos os que participam, mas os responsáveis não desistem de querer fazer este projecto crescer.(https://www.publico.pt/2018/03/21/sociedade/noticia/trissomia-21-nao-e-so-querido-e-fofinho-e-um-trabalhador-1807360/amp)”

 

Deparei-me com o título desta notícia no jornal Público e automaticamente pensei: Finalmente um título, uma frase que faz jus ao que é esperado quer de quem usufrua de todas as suas capacidades em pleno, quer de quem tenha comprometimentos físicos e ou intelectuais. Em ambos os casos não interessa se é fofinho, não interessa se é querido, interessa que desempenhe a sua função e que sejamos assertivos e exigentes com o que é esperado.

 

Assumo-me como muito impaciente a títulos e mensagens condescendentes no que toca a deficiência. O palavreado por vezes rebuscado que arranjamos para denominar qualquer aspeto quer físico ou intelectual com receio de ferir susceptibilidades por parecer menos socialmente aceite, ou quando suavizamos a postura e palavras para tornar o nosso discurso “mais fácil” de ser compreendido pelo “coitadinho” é no meu entender uma enorme falta de respeito. É o mesmo sentimento quando oiço, em reuniões de conselhos de turma, “Como ele faz parte do D.L. 3/2008 e tem um PEI (Programa Educativo Individual, em dei-lhe um 3”. Como se existisse um documento que serve de um passe livre para “ir andando” pela escola sem definir objetivos que devem ser, igualmente, exigentes e rigorosos, dentro do perfil de funcionalidade de cada aluno.

 

Sem qualquer floreado, a Trissomia 21, ou qualquer outro comprometimento intelectual reflete-se, naturalmente, em maiores dificuldades de acesso à vida laboral. A existência de instituições ou empresas disponíveis para tomar esta iniciativa demonstra o pensamento e atitude esperado de uma sociedade evoluída, onde o foco não deverá ser apenas os comprometimentos existentes dos empregados, mas sim dar a oportunidade, merecida, a que estes profissionais demonstrem as suas competências dentro do que é esperado no local de trabalho. Principalmente que encontrem um espaço que lhes permita continuar a sua formação pessoal e social que ficou suspensa no final da sua escolaridade e que tranquilize famílias que ficam órfãs de um espaço de formação após a conclusão da escola.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:48



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D