Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Isto assustou-me muito.

por Maria Joana Almeida, em 30.10.18

estudante.jpeg

 

Há um crescente movimento perigoso a ascender em vários países. Basta olhar para o Brasil, para os E.U.A onde Bolsonaro e Trump conseguem dar vida a sketchs de humor negro que só achava possível em ficção. Como escrevi há pouco tempo: “Ou percebemos e resolvemos rapidamente onde é que a democracia tem falhado e onde deveria ter, inevitavelmente, mão forte ou, à semelhança da célebre frase de Manuela Ferreira Leite "Mais vale suspender por uns meses a democracia para se poder fazer todas as reformas necessárias". Poderá não ser só uns meses..”

 

É verdade que por vários momentos não quis acreditar que um candidato a presidente de um país e em pleno século XXI se insurgisse com um discurso de ódio direto e especificado. Achava que só podiam ser fake news, montagens. Mas não. Em democracia isto é possível e é a distância de um voto que permite a sua continuidade.  Pior. Num país com o um passado ainda recente de ditadura militar a maior parte dos seus cidadãos foram complacentes e legitimaram um discurso que põe em causa a sua própria liberdade.

 

No dia seguinte acordei com a imagem de uma informação que supostamente incentiva à denúncia, por parte dos alunos de uma escola, de professores que se insurjam com comentários e ideias contrárias ao recente presidente eleito. (Encontram em algum momento da história semelhanças?)

Esperei, mais uma vez, que esta notícia fosse falsa. Nada indicou que fosse.

 

Sou, por natureza, muito pouco alarmista no geral. Recordo uma conversa com um amigo, há sensivelmente 5 anos, onde ele, algo alarmado, falava das grandes possibilidades de regimes de extrema-direita poderem chegar de novo ao poder. Disse-lhe para acabar o gin e não dizer disparates, qual arauto da desgraça. Cinco anos depois movimentos que foram primeiro subtis, depois declaradamente inquisitórios, discursos de “tótos” fundamentalistas, mas inofensivos, ganharam terreno. Muito terreno.

 

Como professora espero nunca chegar a um tempo onde tenha medo de partilhar as minhas ideias, onde tenha de me calar com medo de represálias, onde a tolerância e o equilíbrio deixe de ser o que nivela a nossa existência.  

 

A democracia pode ser por vezes muito assustadora, mas isto..isto é muito mais..

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D