Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Inclusão que atrasa inclusão.

por Maria Joana Almeida, em 30.10.21

relógios.jpg

 

Se Vasco Santana fosse um entendido na Educação facilmente poderíamos resgatar uma das suas famosas frases e afirmar, convictamente, “Inclusões há muitas seus palermas”.

 

Há aquela “Inclusão de bolso”, sempre preparada para nos atirar com os clichés, dos mais fofinhos, aos mais descabidos. Entre eles temos o famoso: “Porque tu podes ser diferente, mas és igual a nós”, até ao “Mas estes meninos não são meus, deviam estar numa escola especial”.

 

A “Inclusão sabe tudo”: Os que têm na ponta da língua toda a legislação e um modus operandi por eles irrepreensível com base no diagnóstico e “cura” como uma espécie de livro do Pantagruel. Que venham novas legislações que não há nada de novo a aprender. É ver e aplicar.

 

A “Inclusão que não usa a palavra Inclusão” por deter como paradigma a diversidade e não um holofote constante sobre a diferença como forma de atos altruístas perante “os outros”. (Esta será aquela que me serve).

 

E há também, (haverá naturalmente e caricatamente, mais categorias) a “Inclusão by the book.”: gente entendida nesta área, com formação, que pretende usar “a” estratégia e “o” recurso adequado. Que pretende ensinar quem não sabe. Que centra, em 90%, nos preciosismos e tem dificuldade em avançar no que quer enquanto todo o estaminé burocrático e material exato, do catálogo exato, não estiver disponível.

 

Já muito foi dito sobre os três primeiros e por isso quero debruçar-me sobre este último. O “by the book” é um pouco mais difícil de desconstruir porque a verdade e a parte legal estão inegavelmente do lado que quem “a pratica”. É uma inevitabilidade. Por outro lado, há um aspeto que é por vezes esquecido: o valor da educação não formal e os bastidores da Educação Inclusiva. “Incluir” por livros e materiais desliga a nossa atenção no que é absolutamente essencial. As pessoas com que trabalhamos e os objetivos que pretendemos alcançar. Nada é “by the book” e nada, absolutamente nada, em educação é completamente linear. Desde a metodologia à avaliação. E esperar pelas condições atmosféricas certeiras para trabalhar, “para incluir” é absolutamente caricato.

 

Em praticamente nenhum momento, ou nem sempre, teremos todas as condições, todas as coordenadas, todo o plano para agir e atuar. Mas estes jovens existem todos os dias e não podem ficar à espera.

 

 O ensino à distância é um exemplo concreto. Há anos que se apregoava a necessidade de educar os alunos, a população para as Tecnologias de Informação, embora saibamos que o lápis e a caneta ainda configuram uma elevada percentagem do ensino atualmente. Em tempo de pandemia não houve preparação, nem momento certo, houve uma necessidade de agir e, apesar de todos os defeitos, foi o que permitiu a continuidade da escola em casa.

 

Há um “book” para a inclusão, mas o “chapéu” da inclusão mora individualmente em cada um de nós. Consoante a nossa crença. E quando esta fixa e se fecha numa categoria, sem reflexão, funcionará de igual forma ao extremo que quer separar todos os alunos. Nós e os outros.

 

Ouviremos, sem sombra de dúvida, os arautos das várias “inclusões” apregoarem que as decisões terão de ser sempre em prol dos alunos. Esquecemo-nos, bastas vezes, que a nossa crença é autocentrada e raramente altruísta. Está assente na forma como perceciono o outro. É que raramente nos queremos enganar ou ter dúvidas, quando são estas que nos permitem crescer e encontrar outros caminhos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:56


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

subscrever feeds