Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Ainda não sei fazer croquetes

por Maria Joana Almeida, em 22.12.20

eu espero.jpg

 

A minha mãe fazia croquetes. Os melhores que alguma vez comi, e sem qualquer medo de errar, os melhores que alguma vez alguém comeu. Tudo o que cozinhava era muito bom. Cozinhar era amor. Não era apenas um ato de amor. Era amor.

 

Ontem comi rissóis num restaurante (croquetes nunca me atreverei) e não eram maus. Perguntei se eram caseiros, se era a senhora da cozinha que os fazia (acho que procurava amor) e o senhor respondeu-me que não, que já ninguém fazia isso. Ele não conheceu a minha mãe. Que sacrilégio seria comprar croquetes, rissóis ou empadas. Só se fosse apenas para comprovar o óbvio: a minha mãe fazia melhor.

 

A cronista Ruth Manus, escreveu certa vez no Observador, a propósito de um texto que agitou os ânimos há uns tempos  “Minha querida, se você tem uma carreira consolidada e espaço para se manifestar, você está usufruindo de conquistas feministas. Caso contrário você ainda estaria fritando croquetes em casa.”

 

A minha mãe fazia croquetes, mas não sabia apenas fazer croquetes. A minha mãe sabia ensinar e sabia o que queria e não queria. O meu pai aprendeu a fazer croquetes. Ambos os faziam e fritavam. O meu pai sabe fazer tudo em casa, não por imposição, mas porque não era opção alguém em casa “ajudar”. A minha mãe sempre quis ambos com trabalho e ambos como parte integrante de tudo o que uma casa exige. Mas nunca exigiu só para um.

 

A minha mãe disse-me que queria que eu fosse uma grande mãe e uma grande mulher. Penso que sei qual a sua crença sobre isso, porque são várias as crenças sobre isto.

 

Quando era mais nova a minha mãe queria que eu aprendesse a cozinhar com ela (ela sabe que eu aprendi várias coisas), queria que eu soubesse bordar, fazer ponto de cruz, fazer cachecóis (também fiz alguns), dizia-me também ao mesmo tempo para endireitar as costas e ler, ler muito. Eu não gostava de bordar e não gostava de ponto cruz. Os cachecóis também demoravam muito tempo e não tinha paciência. Também não percebia porque tinha de ler muito e chateava-me ter de pensar sempre se tinha as costas direitas. Deixei as tentativas de ponto de cruz, mas li compulsivamente entre os 12 e os 18 anos e deixava bilhetes debaixo das almofadas de toda gente, assim quase como um balanço daquele dia.

 

A minha mãe tinha medo que eu viajasse, mas uma vez, numa altura em que me sentia muito triste, disse-me para eu fazer uma viagem. A minha mãe queria que eu fosse à missa e falasse com Deus, mas tinha, especialmente comigo, inúmeras vezes, um sentido de humor acutilante, sarcástico e negro. Às vezes, em grupo,  apenas nós nos ríamos, de lágrimas, só porque olhava para ela no momento certo. A minha mãe era, também, uma antítese completa. E era, porque ela me conhecia como ninguém. Aprimorava-se nas críticas, ao mesmo tempo que me dava asas. Fui percebendo isso. Deu-me muita escolha, sem primazia em nenhuma. Eu escolhi escrever, porque achava que me sentia melhor do que a fazer outras coisas. E escrevi-lhe muito em vida. E quando lia os meus textos, os olhos brilhavam igualmente como se eu tivesse feito o cachecol mais bonito ou os croquetes mais deliciosos. Ela queria-me feliz e só isso lhe importava.

 

A véspera de natal será esta quinta-feira. Não estaremos juntas desta vez. Não vou comer a tua comida. Mas continuo de costas direitas mãe, desta vez a ler receitas. Tenho muita vontade de fazer croquetes. Quero acrescentar mais à minha carreira. E era isso que tu gostarias, o que puder alcançar, mais e melhor. E eu vou sentir os teus olhos a brilhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00


19 comentários

Perfil Facebook

De Margarida Matos a 23.12.2020 às 09:20

Tão lindo e tão bem escrito! Parabéns a si e pela mãe que teve, porque lhe ensinou lindas coisas, para as quais percebeu o seu valor e as guardou para usar hoje da melhor forma, da forma que lhe faz sentido. Boas festas!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2020 às 09:41

As mães são assim montanhas de inspiração.
Imagem de perfil

De simplesmente... a 23.12.2020 às 10:15

Adorei o seu texto.

Foi o coração a falar.

"Ex abundantia coris, os loquitur": a boca fala daquilo que abunda no coração.

Feliz Natal ... com ou sem croquetes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2020 às 10:50

Que lindo texto, emocionei me, adorei, um feliz natal, e obrigada pelas lindas palavras que partilhou connosco.
Imagem de perfil

De Nala a 23.12.2020 às 11:09

Que post absolutamente sensacional. Muitos parabéns por ele e por todo o sentimento que lhe está incutido. Nem sempre fui a filha que os meus pais quiseram mas também sempre tive a oportunidade de sonhar, explorar e ser feliz. Mesmo quando da minha independência vinham brigas e discussões. Obrigado por me ter feito pensar nisso. E torço para que olhe, um dia, os seus croquetes e os sinta tão bonitos e saborosos como os da sua mãe.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2020 às 11:24

Ainda não sei fazer croquetes. Será que vi bem!

Sejamos práticos que o tempo é limitado e por isso deve ser bem aproveitado, isto é uma "mão cheia de nada". Interessa que estejamos ocupados com isto. É preciso falar a verdade, o mundo não é cor-de-rosa mas negro.
Imagem de perfil

De C.S. a 23.12.2020 às 11:25

Que texto maravilhoso. Emocionei-me. São tão bonitas as palavras certas e tão deliciosos os croquetes. E o amor. O amor é sempre maravilhoso.
Imagem de perfil

De Margarida a 23.12.2020 às 12:44

Texto maravilhoso, palavras de ternura
As mães são mesmo assim, uma inspiração...
Feliz Natal
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 23.12.2020 às 14:08

Que texto!
A minha mãe fazia muito bem croquetes , acredite que aprendi com ela muito do que sei fazer, e agora que li este texto, há muitos anos que não faço, nunca mais me lembrei da palavra croquetes,nem de os fazer.
Mas estou a ver-me fazê-los com a minha mãe, e estou grata por esta recordação.
Foi uma bela homenagem à sua mãe.
Há aqui muito da sua que me lembra a minha.
Obrigada
Feliz Natal 💗
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2020 às 15:36

Muito lindo. A minha mae tambem cozinhava muito bem.eu aprendi algumas coisas mas nunca consegui fazer os pasteis de massa tenra como ela. O meu filho ainda hoje pede para eu fazer os pasteis como a avo.Eu faco o recheio como ela mas a massa tenra e que e o problema. Eu compro uma massa congelada e cozo no forno. As minhas amizads adoram mas e porque nunca comeram os da minha mae. As melhores festas possiveis, apesar da pandemia.

( desculpe a falta de acentos e cedilhas, mas eu vivo no Canada e agora que estou em casa aind nao mudei o teclado.)

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D