Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



5 perguntas, 5 respostas com Ângelo Fernandes

por Maria Joana Almeida, em 29.05.18

 

 

angelo.jpg

 

 

"Ângelo Fernandes é o fundador e presidente da Quebrar o Silêncio – a primeira associação portuguesa de apoio especializado a homens sobreviventes de violência e abuso sexual. Reivindicador dos direitos humanos, igualdade de género e feminismo, trabalha no sentido de desconstruir os valores tradicionais da masculinidade e na promoção de masculinidades cuidadoras e transformativas. Defende a participação ativa dos homens e rapazes na promoção e conquista de uma sociedade equitativa onde as mulheres e homens gozem de plena igualdade de direitos e oportunidades."

 

O Ângelo foi meu colega de curso. Empenhado, bem disposto e positivo, tem neste momento uma missão nobre entre mãos que vale muito a pena conhecer.

 

Obrigada Ângelo.

 

 

1 - Ângelo, criaste há pouco tempo a Associação Quebrar o Silêncio que tem como missão apoiar homens sobreviventes vítimas de abuso sexual. Poderia encontrar respostas na Internet, em algumas entrevistas que foste dando, mas gostaria que me dissesses qual o momento em que decidiste avançar com este projeto e as principais motivações? 

 

 

Antes da Quebrar o Silêncio não havia nenhuma associação com uma resposta e serviços de apoio especializados para homens sobreviventes de abuso sexual. Era uma necessidade que há muito necessitava de ser colmatada em Portugal. Foi aí que, com o apoio de pessoas amigas, fundámos a Quebrar o Silêncio.

Sobre as motivações que perguntas, desde cedo que discutimos várias vezes sobre tornarmos pública a minha história pessoal. Sabíamos que era uma opção para promover e dar visibilidade a este assunto, e que era também uma oportunidade de chegar a outros homens sobreviventes. A identificação é fundamental para que os homens sobreviventes possam começar a sentir que há um espaço que os recebe com segurança, que vão ser ouvidos e que as suas histórias vão ser validadas. E constatamos isso quando vários homens referem a importância de terem lido o meu testemunho antes de nos procurarem.

 

2 - É comum associar estes crimes a mulheres. Se realizássemos um “voxpop” conseguiríamos perceber que os homens são poucas vezes (ou quase nunca) apontados como vítimas de abuso sexual. Como explicas esta realidade e como encaras este panorama atualmente?

 

A verdade é que nem toda a gente acredita que os homens e rapazes possam ser abusados sexualmente. E se falarmos de violência doméstica, física e sexual, vários estudos indicam que é o homem que comete essa violência, principalmente contra mulheres e raparigas, mas também contra outros homens e rapazes. Esta é a realidade. No entanto, esta realidade também nos diz que os homens e rapazes são afetados pela violência sexual. Se sabemos que 1 em cada 3 mulheres é vítima de abuso sexual, sabemos também que 1 em cada 6 homens também o é.

Um dos obstáculos ao reconhecimento dessa realidade é o facto de a nossa sociedade continuar a ser regida por normas de género muito rígidas, os ditos estereótipos de género. E essas normas dizem que o homem tem de ser forte e saber proteger-se, e que “um homem a sério” ou “homem que é homem” jamais poderá ser vítima. São ideias que promovem o silenciamento dos homens sobreviventes e que impossibilita que possam sentir que podem procurar apoio. Não é por acaso que apenas 16% dos homens sobreviventes considera que foi vítima de abuso sexual.

É preciso fazer um trabalho que esteja coordenado entre diferentes dimensões, seja na educação, nas respostas de apoio ou na lei. Por exemplo, no atual Plano de Ação para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e à Violência Doméstica 2018-2021 reconhece-se a "intervenção junto de homens vítimas de VD e de violência e abuso sexual." Esta medida, que prevê a "especialização da intervenção para outros tipos de violência na CI e junto de grupos vulneráveis", é um reconhecimento histórico para nós e um marco para ser lembrado no futuro.

 

3 - Os números são (nem sempre) mas nestes casos importantes para percebermos a dimensão do problema. Quantas pessoas já contactaram a Associação deste que foi fundada? E quais os números reais de pessoas vítimas de abuso sexual no nosso país atualmente?

 

É impossível sabermos os números reais de vítimas de abuso sexual no nosso país. Sabemos que em Portugal os crimes sexuais apresentam a maior disparidade entre os crimes e as denúncias realizadas, fenómeno este conhecido como Cifras Negras. Portanto, quando temos acesso a ferramentas como o RASI,  Relatório Anual de Segurança Interna, é preciso termos uma visão e uma interpretação crítica dos números e estatísticas apresentadas. Sabemos, por exemplo, que no Reino Unido apenas 3,9% dos homens é que denuncia o seu caso. E estamos a falar de uma realidade onde existem várias respostas de apoio para homens e mulheres sobreviventes com décadas e décadas de trabalho feito nestas áreas.

No ano passado, em 2017, registámos na associação 74 pedidos de apoio, nem todos eles de homens sobreviventes; por vezes, há mulheres sobreviventes que nos procuram também, e que reencaminhamos para entidades parceiras, e também temos familiares que procuram apoio. Este ano até ao momento, leia-se final de maio, registámos 70 pedidos. A procura pelos serviços da Quebrar o Silêncio tem aumentado e podemos interpretar este aumento como uma resposta ao trabalho que fazemos pela visibilidade destes temas e dos serviços.

 

4 - O movimento “Metoo” entre outros, foi de alguma forma pioneiro (numa determinada Indústria é certo) em abanar estruturas e “descongelar” um determinado tipo de comportamentos que passavam muitas vezes pelos pingos da chuva sendo “aceites”. Qual a tua opinião sobre este movimento e se consideras que pode ter ao mesmo tempo um lado perverso de instrumentalização de poderes?

 

Movimentos como o #MeToo e o #TimeIsUp são fundamentais. Temos assistido a mulheres (e alguns homens também) que têm conseguido falar publicamente e expor situações que têm deixado muita gente incrédula, mas também resistente a este tipo de situações. Com tanto mediatismo, temas como o abuso sexual e o assédio sexual têm estado no centro de várias discussões e conversas, e de certo modo foram sendo (re)introduzidas no nosso quotidiano — e isso é algo positivo. Com estes movimentos é preciso tomar estas oportunidades para informar e educar rigorosamente, isto é, não podemos apenas discutir caso a caso o que tem acontecido; é importante que o público em geral tome conhecimento em que contexto o abuso e o assédio tomam lugar nestes casos, em que moldes, quem são estes abusadores, a que estratégias recorrem, entre outras questões. É fundamental que este tipo de educação aconteça também. Por exemplo, por vezes há quem confunda assédio sexual com brincadeira, flirt ou até mesmo sedução, e é preciso clarificar de forma rigorosa e assertiva que assédio sexual não é nada disso. Do mesmo modo que também é preciso ir desconstruindo a “rape culture” e a cultura de responsabilização das vítimas. Este é uma linha de pensamento muito presente nos comentários a que temos acesso e também no trabalho que fazemos nas escolas. Há muitas ideias erradas, como a crença de que a vítima pode provocar, “meter-se a jeito” e que a vítima pode ser co-responsável pelo abuso. Estas ideias têm de ser desmistificadas e depois atualizadas. Movimentos como o #MeToo podem proporcionar estes momentos de aprendizagem.

 

5 - Sei que a Associação tem estado muito presente em escolas como forma de sensibilização para a sua missão. Como têm sido recebidos e que tipo de questões são normalmente colocadas pelos nossos jovens?

 

Para nós trabalhar com as escolas para a sensibilização e informação de rapazes e raparigas é fundamental, e foi logo desde início um dos nossos objetivos. O trabalho que fazemos nas escolas é também o nosso contributo para a prevenção do abuso sexual de rapazes e raparigas.

A aceitação por parte dos e das estudantes é muito interessante. Normalmente, prestam muita atenção ao que dizemos e aos números, definições e exemplos que apresentamos. O que registamos é que existem ainda muitas ideias e questões que vêm de uma educação assente nos papéis tradicionais da masculinidade e feminilidade. Observamos que há várias crenças que continuam enraizadas, como a de que um rapaz não pode chorar, que o papel do homem é sustentar a família, que o lugar da mulher é em casa, que os homens e rapazes não podem ser abusados sexualmente, que a responsabilidade do abuso sexual é da vítima (o que é mais premente no caso das vítimas mulheres). Também encontramos jovens com informações mais “atualizadas” sobre violência sexual e igualdade de género, mas não nos parece ser de todo a maioria. Por exemplo, muitos jovens identificam que abuso sexual não se limita apenas à penetração e violação, e que há formas de abuso que não incluem sequer contacto físico. É bom ver que existe já esta consciência junto das e dos jovens.

Este é um trabalho que é importante ser feito junto das escolas. Por vezes pode ser difícil porque parece não haver mudança, mas também é necessário reconhecer que o impacto de alguém que apresenta ideias diferentes e que pode aumentar o espectro de algumas noções mais restritas, pode ser já, só por si, a semente para uma mudança positiva.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds