Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Tu és amor"

por Maria Joana Almeida, em 11.09.21

monsaraz.jpg

 

O título encaixaria na perfeição numa linha de Gustavo Santos ou numa qualquer passagem cliché de âmbito religioso. Mas não.

 

O título vem de uma história bonita. Uma história de amor. No verão, no quente de Monsaraz (o calor é sempre paradoxal, fica entre o lugar de amor e o insuportável) a Sílvia contou-me a história de um aluno. E a forma como a marcou ficou marcada na minha pele. Pelo arrepio e pelo calor. Ele disse-lhe. "Tu és diferente Professora. Tu és amor".

 

Esta história é um poema. De pessoas poema.

 

O “Zé”, o aluno, está no 2ºano. Tem dificuldades de aprendizagem. Não tem um vocabulário muito rico (diz o processo). E custa-lhe explicar-se.

O Zé não se apercebe da riqueza do que disse. De como a desarmou, de como me desarmou quando a história foi reproduzida. De como nos arrepiou. O Zé não soube naquele momento e talvez demore algum tempo a saber, ou talvez nunca vá saber, como em três palavras desenhou toda uma planificação. Toda uma metodologia.

 

A Sílvia é professora e é minha amiga há muitos anos. Falamos a mesma linguagem. A da educação e a da vida. A Sílvia tem muita formação. Todo um conjunto de técnicas e instrumentos estudados e guardados. É fundamental. Mas as planificações do seu trabalho não são desenhadas a régua e esquadro, não são guardadas numa folha de excel. São amor.

As (e os) professoras como a Sílvia são da linguagem de Coimbra de Matos “A ciência ou se faz com amor ou não se faz”.

 

Há um ano letivo a iniciar-se e com ele um conjunto de procedimentos iguais, mecânicos, gerais. Há as citações no final das apresentações iguais todos os anos. Há todo um comboio de lugares comuns associados, os necessários e os não necessários. Mas há uma autonomia moral que não pode ser esmagada pelo excel, pelas listas. O espaço intermédio entre o professor e aluno. O espaço desconhecido, o espaço para conhecer. O tempo. A reflexão. A disponibilidade. A tentativa e erro. A incerteza. O falhar. O voltar. O falhar outra vez. O acertar.

 

Não sei se haverá maior validação do que a frase do Zé para definir um professor. Para definir alguém. Mas se um dia um aluno me disser “Tu és amor”, terei mais certezas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:12


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

subscrever feeds