Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Isto da liberdade

por Maria Joana Almeida, em 03.05.17

liberdade.jpg

 

Não, não é um texto sobre o 25 de Abril. Primeiro porque já passou e depois porque não me reconheço com propriedade suficiente para escrever acerca deste dia. O meu entendimento vem de memórias de outros, das memórias da minha mãe, de livros que li e filmes que vi. Construi sentidos e imagens muito bonitas desse dia.

 

No entanto há cravos nas fotos porque foram tiradas no dia 25 de Abril e porque este é um texto sobre liberdade.

 

Quando era pequena ouvi vezes sem conta a frase “A nossa liberdade acaba quando a dos outros começa”. Soou durante muito tempo na minha cabeça até que fizesse sentido. Era demasiado abstrata para poder perceber o seu significado.

 

O conceito de liberdade é provavelmente dos mais difíceis de “ensinar”. Eu já cresci num tempo de liberdades óbvias, conquistadas. O meu mind set nunca conheceu outra forma de ser (sentir na pele é outra coisa). Por ser tão difícil de explicar e de uniformizar, dilui-se em várias conceções. Aqueles cujo a liberdade não se limita no outro: digo por ter a liberdade de o dizer, mesmo que tenha repercussões negativas no outro. Aqueles cuja a liberdade é condicionada pelo grau de confortabilidade do outro: sujeito-me sempre à liberdade do outro. Aqueles que escolhem a liberdade empática: saber escolher o que dizer e a maneira como dizer porque sei ler o outro e reconhecer quando é que a sua liberdade começa e a minha termina.

 

As liberdades esbarram em diferentes entendimentos, em diferentes formas de educação. Nunca será consensual, porque nenhum contexto é igual. Se passo nos corredores de uma escola há liberdades a serem usadas mesmo que a minha esteja a ser posta em causa. E já sem pensarmos, todos acabamos por compactuar com esta liberdade unilateral. Porque aceitamos que são os (uns) novos tempos. Tempos assim que trazem boas e más liberdades. E há liberdades que dão trabalho. (Até 25 de Abril de 1974 bem sabiam o trabalho que deu)

 

E ainda assim, pode a liberdade ter limites? Tem inevitavelmente.

 

Há liberdades sentadas à espera de poderem ser usadas; liberdades que estão bem seguras pela mão e liberdades a preto e branco - aquelas que já se desvaneceram. E nestas liberdades, está aquela (necessária) de escolher alertar para todas as liberdades, que vão para além das individuais. A de quem diz e faz e de quem ouve e sente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:28



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D