Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Distâncias

por Maria Joana Almeida, em 26.04.17

miradouro.jpg

 

 

É um texto sobre amor. O amor também educa.

 

Gosto de miradouros. Gosto muito de miradouros. Aprecia-se a distância, à distância num lugar fixo, onde se pode sempre voltar, como um lugar reconfortante.

 

É um lugar de abraços. Abraçar pessoas, abraçar ideias, abraçar causas. É um lugar de despedidas e de reencontros. De resgates emocionais.

 

Lembro-me da imagem de muitos professores, do alto dos seus miradouros, já na reforma, que permanecem de olhos brilhantes quando recordam nomes, locais, abraços a pessoas, abraços a causas. Não só aqueles com e onde foram felizes, mas também os momentos de decisões difíceis, porque, numa analogia pueril ao filme Inside out, a tristeza é uma das chaves fundamentais para que possamos evoluir.

 

A distância permite o início do processo de relativização, aquele que cria uma certa nostalgia, que embala ideias e pensamentos. Ajuda a quebrar ciclos. Nos miradouros das nossas vidas permitem recomeços.

Enche-nos de mais bagagem ao mesmo tempo que limpa a mente separando e eliminando o que não interessa. Arruma a casa e reorganiza os nossos diferentes palcos: escola, trabalho, relações.

As distâncias são às vezes desejadas (as férias, uma interrupção) mas muitas vezes não são pedidas. Aparecem como a única hipótese para evitar um acumular de emoções que baralham a máquina e que nos conduzem aos "over" (estrangeirismos) do século XXI: overload, overthinking, overcoming burn out.

Deparei-me hoje com a frase de um filme After the reality -  "There's a loss of all that was, and then there´s a loss of all that wasn´t. It´s the "wasn't" that seems to drive folks a little nutty." (Há uma perda em tudo o que foi e uma perda em tudo o podia ter sido. E é “o que poderia ter sido" que nos desorienta.)

 

No miradouro a apreciar Lisboa os "over" dão lugar aos "under". Lisboa torna-se ainda mais bonita quando olhamos de outro ponto, do ponto onde não estamos e onde sonhamos com o que ainda pode ser.

 

 

Às vezes é preciso parar, contemplar, para continuar a ter caminho para andar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:21



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D