Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ainda não sou mãe, mas..

por Maria Joana Almeida, em 24.02.17

Parenthood.jpg

 

Há experiências que me assustam, experiências fundamentalistas são as piores e experiências fundamentalistas com crianças são aterradoras.

 

Li há pouco tempo o seguinte artigo:

https://littlethings.com/free-range-kids/?utm_source=pulp&utm_medium=Facebook&utm_campaign=shocking

 

O título era revelador: “Mom Who Breastfeeds 5-Year-Old Son Raises Her Kids Without Any Discipline Or Rules” (Mãe que amamenta o seu filho de cinco anos sem quaisquer regras ou disciplina)

 

Primeiro pensamento: As reações contra o "sistema", seja o que queira isso dizer, levadas a um extremo raramente são positivas. Como dizia uma amiga minha: “fazer dos nossos filhos ratinhos de laboratório não”.

 

A internet está repleta de novas modas de parentalidade. Pessoas que descobriram a pólvora em pleno séc. XXI quando a pólvora há tanto tempo que foi descoberta (sim, há modelos de parentalidade e educação que apenas vestem uma nova roupagem, mais clean, mais cool). Cruzam estudos, cruzam ideias próprias e criam novos métodos de educação ajudando a criar negócios pouco sérios em que muitos se alimentam de alguns novos pais sedentos de filhos melhores e diferentes dos outros. 

 

Há efetivamente, não diria teorias, mas linhas de intervenção e educação que fazem todo o sentido, mas há premissas que são importantes reter: estas linhas orientadoras não são fundamentalistas, nem deverão ser. Estas devem ser adaptativas ao contexto em que se vive, à personalidade da criança, à realidade envolvente. Estou convicta que nada pode ser mais frustrante e sofredor do que ser criado numa redoma, numa qualquer redoma, que não tem laços com a realidade. Tornamo-nos assim uns ratos de laboratório, a habitar um mundo estranho. Ou nos assumimos como eremitas, ou então há aprendizagens que têm de ser feitas pelos nossos filhos para existir uma integração saudável e isso não quer dizer que não estejamos a desenvolver a parte artística ou intelectual, bem pelo contrário.

 

Temos também tendência (natural) de olhar para trás e facilmente verbalizar com um certo tom de desdém; “mas eu também fiz assim e não morri por isso ou não me tornei pior pessoa por isso”. Será verdade, como também é verdade, que a sociedade evolui para contextos que não são semelhantes a tempos passados ainda que hoje vivamos um revivalismo do tempo da avó.

 

Gostaria de não esgotar o argumento de que o bom senso deve imperar sempre - um pleonasmo assumido na vida. Penso que o comprometimento, em educar os nossos filhos, terá de ser sempre entre a nossa realidade e aquilo que lhes pretendemos dar, conscientes de que é uma realidade absolutamente individual e onde as crenças são em última instância legítimas, mas não podemos negar o nosso meio envolvente.

 

É importante perceber que há na nossa sociedade respostas diferentes (e ainda bem), caminhos diferentes que conseguem coabitar entre sim, de uma forma saudável, acima de tudo porque não são fundamentalistas. Estão abertas à diferença, à multiplicidade de papéis e não recusam ou negam a realidade.

 

Mais do que isso, ou para além disso, é puro egocentrismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:14



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D