Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



5 perguntas, 5 respostas com o Escultor Daniel Leite Mendes

por Maria Joana Almeida, em 24.05.17

 

 

imagem Daniel.JPG

 

 

Conheci o escultor Daniel Leite Mendes recentemente. Não foi preciso muito de tempo de conversa para perceber a entrega que tem à vida, aos pequenos pormenores que observa e a leveza das palavras e dos gestos. Não sou a maior entendida em escultura, mas sei apreciar a beleza e a importância artística no nosso mundo e o quão fundamental é no desenvolvimento educacional. A expressão artística tem a capacidade de nos resgatar, de arranjar substitutos de vida e de nos permitir conhecer e dar a conhecer.

 

O Daniel é dotado de uma enorme sensibilidade estética e artística. Sonhador, terno, observador, intenso, pés na terra e alma enorme. Aprendeu com o pai a função de marceneiro, passou pela arquitetura, pelo desenho e descobriu a paixão na escultura. A sua primeira obra foi aos 21 anos anos, altura em que estava nos Açores. Passou de rostos, a linhas mais curvas, mais femininas, pueris mas intensas, são de pedra, mas são leves.

 

A sua próxima exposição será no Lx factory e deixo aqui uma breve entrevista.

 

 

 

1 - Daniel, entre as várias formas de expressão artística porquê a escultura em pedra? Que percurso ou vivências te levaram até aqui?

 

Apaixonei-me pela “personalidade” da pedra nos açores, onde comecei com curiosidade de a esculpir. A sua textura, volume, dureza... Ao trabalha-la gostei de sentir que ela, com os seus veios e características puramente naturais, ajudava-me na criação mostrando formas, “comunicando” no que se quer tornar. Fiquei encantado.

 

2 -  Deves ouvir muitas vezes esta pergunta, mas interessa-me o processo e não o como. A inspiração nasce de onde? A peça que idealizas ao inicio é a mesma que constróis no final?

 

A inspiração nasce de algo no fundo muito pessoal que muitas vezes passa por algo que precisa ser trabalhado, cuidado, assumido, materializado, contemplado, venerado.

Depois no processo criativo, materializar a ideia, muitas vezes vai alterando pelo que referi na pergunta anterior, e com a viagem no “tema” flui sempre algo mais belo, libertador e mais de encontro ao que em verdade se constata que se desejava fazer. É lindo!

 

3 -  A família pode ser um facilitador ou uma barreira nas escolhas que fazemos para a nossa vida. Como foi a resposta da tua família ao caminho que escolheste?

 

Tenho uma gratidão enorme para com o meu pai que me encaminhou e passou a sua sabedoria de como trabalhar com as mãos e a madeira.

A Arte/Escultura a ideia não foi recebida de braços abertos no seio da família. Devido a demasiada humildade não aprovou muito bem a ideia de “artista”.

 

4 -  Tens exposto o teu trabalho em vários espaços onde a aceitação tem sido muito boa. Como vês o mundo da arte em Portugal?

 

Vejo que muitas pessoas apreciam arte mas poucos a adquirem.

Vejo também que quem adquire não abre muito “oportunidade” para novas pessoas com dom preferindo investir em artistas de renome.

 

5 -  Qual o impacto que esta expressão artística teve e tem na tua vida? De que forma te descobres com ela?

 

O mais precioso, perceber, sentir, porque o meu pai ficava tanto tempo a contemplar os móveis que fazia…  

Dá-me quietude. Quando crio simplesmente existe isso..é uma entrega ao momento que necessito para me encontrar e sentir que realmente estou a criar algo muito meu. O que me realiza enquanto ser humano. Aquilo que não encontro no dia a dia na sociedade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:56



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D