Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hoje é só isto.

por Maria Joana Almeida, em 20.06.17

marcelo.jpg

 http://leitor.expresso.pt/#library/expressodiario/19-06-2017/caderno-1/temas-principais/gnr-tentou--mas-nao-conseguiu--travar-marcelo

 

Os abraços não resolvem tudo. Tudo o que aconteceu e acontece não cabe num abraço. Mas como Chefe máximo de Estado as suas ações têm um impacto gigante. Passámos de alguém que não saía do pedestal ensinando-nos uma lição de distância e desprendimento para alguém que, exagerado ou não, tem-nos vindo a transmitir uma lição de proximidade.


Estar onde é preciso, ser inspirador é, também, o que um Presidente deve ser.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:37

Não sei como estudar!

por Maria Joana Almeida, em 06.06.17

 

study happiness.png

 

 

 

 

 

O ritmo acelerado da escola, dos conteúdos e a falta de tempo útil para pensar numa organização dificulta o processo de estudo. É essencial quebrar o ciclo de ansiedade que se pode desdobrar em atribuições de culpas, baixas expetativas e insucessos.

 

O primeiro passo é parar. Parar para refletir sobre a nossa forma de atuar definindo prioridades nos conteúdos a estudar, como estudar e quando estudar. É fundamental estabelecer um plano e cumpri-lo. Ao estabelecermos um plano de estudo com objetivos conseguimos uma organização que nos faz poupar tempo para as nossas outras atividades. 

 

Desta forma é essencial:

 

Criar um compromisso com a agenda escolar. Este compromisso deve traduzir-se na elaboração de um esquema semanal de estudo com base nos momentos de avaliação (numa perspetiva contínua) onde definimos os momentos de estudo. Este horário deve acompanhar o aluno nos vários locais :escola e no espaço de estudo em casa e deve definir os tempos direcionados para a preparação dos momentos de avaliação e os momentos de tempos livres, juntamente com outras atividades.

 

O aluno terá de se responsabilizar por essa “agenda”. Sendo ele quem deve construir juntamente com ou pais ou tutor, os momentos destinados ao estudo.

 

A gestão de tempo é fundamental. Saber gerir o tempo de estudo criando horários plausíveis e intervalos é a chave para permitir um equilíbrio entre os momentos de maior disponibilidade mental e concentração com os momentos de descontração. É importante defini-los tendo em conta o perfil de funcionalidade do aluno no que diz respeito aos seus tempos de concentração. São preferíveis mais intervalos (curtos) do que a exigência de um tempo muito prolongado.

 

O aluno deverá, também, compreender a diferença entre intensidade de estudo e qualidade de estudo. O sucesso não está nas horas que se passa a estudar, mas na forma como estudamos e é isso que faz a diferença. Este é um dos principais desafios neste trabalho de planeamento e os pais ou tutor são os principais aliados nesta competência. Deverá existir um compromisso entre os conteúdos e as competências associadas à matéria da disciplina tentando um maior nível de objetividade. Para isso o aluno, juntamente com pais e auxílio do professor, devem selecionar os materiais necessários de apoio ao estudo permitindo assim ao aluno uma maior proximidade da matéria o que se traduz numa maior segurança e sentido de responsabilidade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:38

Breves considerações sobre avaliações pedagógicas

por Maria Joana Almeida, em 01.06.17

 

 

mafalda_teste.jpg

 

A internet dispõe de inúmeras páginas com exemplos de avaliações pedagógicas bem como teses que demonstram quais os pontos essenciais e de que forma deve ser construída.

 

Na realização de uma Avaliação Pedagógica existem três pontos que considero fundamentais e que estão assentes na premissa de a tornar absolutamente individual. O objetivo será (sempre) realizar uma avaliação o mais completa e detalhada que nos permita obter uma imagem, o mais fidigna possível, do aluno. É muito fácil cairmos nas disposições gerais e nas áreas mais globais arriscando-nos a criar avaliações que poderiam tanto do Manuel como da Maria.

 

Quando entramos no campo das Necessidades Educativas Especiais e de forma a respeitar a lei em vigor é necessária a utilização da CIF (Classificação Internacional de Funcionalidade) em que “(…)o objectivo geral da classificação é proporcionar uma linguagem unificada e padronizada assim como uma estrutura de trabalho para a descrição da saúde e de estados relacionados com a saúde. A classificação define os componentes da saúde e alguns componentes do bem-estar relacionados com a saúde (tais como educação e trabalho)” http://www.inr.pt/uploads/docs/cif/CIF_port_%202004.pdf

No momento da avaliação através deste instrumento é, no meu entender, imprescindível uma descrição detalhada do comportamento da crianças em cada área referente a cada código.  A mera atribuição de códigos, como tenho vindo a referir em outros textos, desumaniza a avalição fechando alunos em números sem conteúdo.

 

Outro ponto a ter em atenção são os atos perlocutórios na avaliação. Observar e registar quais as reaçóes, expressões, verbalizações efetuadas pelo aluno avaliado. São estes detalhes que permitem compreender e espelhar de uma forma única aspectos importantes para uma posterior intervenção.

 

O terceiro ponto prende-se com a utilização não só de instrumentos formais, mas de exercícios, ou mesmo objetos familiares com relação afetiva para o aluno. Uma avaliação baseada apenas em documentos muito estruturados retira toda a espontaneidade e interesse de quem é avaliado o que torna a avaliação inócua.

 

A realização de uma anamnese – recolha de informação pessoal e escolar é, também, fundamental para poder compreender o background bem como algumas verbalizações e comportamentos observados. É através da recolha destes dados que se torna possível selecionar e construir instrumentos de avaliação mais adequados. Esta é, no entanto, uma metodologia ambígua. Existem professores apologistas de não conhecer a anamnese antes de avaliar uma criança com o argumento de que este conhecimento prévio vai “contaminar” as crenças em relação ao aluno no momento de avaliação e criar ideias preconcebidas, tornando assim a avaliação menos “natural”.

 

Refletindo sobre qual o procedimento mais correto, direi que não existe. Ambas metodologias são legítimas contendo argumentos pertinentes. Por um lado conhecer o passado pode ajudar na preparação de uma avaliação mais estruturada, por outro lado este conhecimento prévio retira alguma espontaneidade ao momento de avaliação.

 

Penso que são metodologias que podem coabitar e a escolha deve ser deixada ao critério de quem procede à avaliação. A premissa que deverá ser sempre essencial é a de encarar este momento de avaliação como um momento recíproco. Um momento onde devemos estabelecer uma relação de confiança, aquela que permite retirar alguma formalidade que (sim) pode contaminar todo o processo.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

subscrever feeds