Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sobre Psicomotricidade com João Costa.

por Maria Joana Almeida, em 30.03.17

JOão Costa.jpg

 

Quando analisamos as áreas de leitura e escrita compreendemos que a Psicomotricidade é absolutamente indissociável do desenvolvimento destas competências. Embora seja uma área indispensável, não é uma das primeiras abordagens pensadas por pais e professores devido, ainda, ao pouco conhecimento do seu valor e contributo.

 

O João Costa, com o qual tenho o privilégio de também trabalhar atualmente, é Psicomotricista e trabalha há vários anos com crianças e jovens com diversos quadros clínicos. É diretor do Instituto de Terapias Expressivas em Lisboa e Professor Assistente Convidado pela Universidade de Évora, lecionando no Mestrado de Psicomotricidade Relacional.  Conhece a realidade de muitas escolas e apresenta uma abordagem relacional, com ao qual muito me identifico, no trabalho que desenvolve.

 

Na procura de mais respostas sobre esta área e de forma a dar a conhecer os seus principais objetivos, bem como o trabalho imprescindível que desempenha, decidi pedir ao João um contributo sobre a importância da Psicomotricidade no desenvolvimento da criança.

 

Obrigada João

 

 

1 – Quando abordamos o conceito Psicomotricidade percebemos que ainda é pouco claro para alguns professores e especialmente alguns pais. Como definirias esta área?

 

A Psicomotricidade é uma disciplina muito recente em Portugal. Daí ser pouco conhecida no ambiente escolar como recurso às aprendizagens, e também pouco difundida junto da comunidade em geral. Todavia, no seu país de origem, a Psicomotricidade é amplamente conhecida no meio escolar/educativo e em ambiente clínico.

Trata-se de uma área que poderíamos designar como híbrida, isto é, na sua construção temos influência da psicologia, psiquiatria, psicanálise, pedagogia , neurologia.

A Psicomotricidade pode ser encarada como uma forma de psicoterapia de mediação corporal, onde o corpo, o espaço, a expressão motora, o gesto, o movimento, a atitude tónica, são os suportes eleitos.

A comunicação infra-verbal, mimo gestual e verbal, são o elo das relações que se estabelecem e que passa pelo emocional e afetivo.

Se necessário em progressiva verbalização, desde as descrições das sensações, à conversa dos sentimentos e emoções das situações vivenciadas.

 

 

2 - Quando achas necessário, ou quais são os sinais de alarme, que no teu entender não devem ser ignorados pelos pais e que necessitam da intervenção de um psicomotricista?

 

Numa primeira abordagem quando os padrões do desenvolvimento são adquiridos tardiamente, quando os pais têm duvidas devem cedo procurar profissionais de forma a “encontrar” os casos precocemente para uma maior facilidade de remoção dos sintomas; quando é descrito “desencontros” nos ritmos circadianos - os meninos gostam de brincar durante a noite e dormem durante o dia; quando a comunicação não é concordante, quando não olham nem apontam o que querem. Quando no ambiente escolar não “sabem” respeitar as hierarquias….

 

 

3 - A Psicomotricidade tem um papel fundamental ao longo da nossa vida e o espaço do pré-escolar é um espaço por excelência para potenciar esta área. Quais são as atividades que achas fundamentais serem desenvolvidas?

.

A fase pré-escolar é um espaço excelente e obrigatório “trabalhar” o pré-escolar, a simbolização para assim poder entrar no mundo académico que é dominado pelos símbolos e abstração. Para se adquirir de forma consistente esta etapa, devemos promover frequentemente os jogos de faz-de-conta, de construções de ideias, promover a criatividade, de promover a autoestima utilizando situações em que as ações sejam fáceis de fazer para que a criança se sinta confiante e segura, estas atividades são sempre acompanhadas com o substrato afetivo e emocional, para organizar as memórias afetivas. Assim temos o prazer de fazer. Ao “trabalharmos" estas áreas estamos a fomentar o pensamento simbólico.

 

 

4 - De que forma é que a psicomotricidade pode estar relacionada com a dificuldade na aprendizagem da leitura e escrita?

 

O conhecimento adquire-se a partir da proxémia, do eu e do outro – noção do espaço, da distância, da proximidade, da leitura do tempo das expressões, da compreensão do corpo no espaço, da ordinalidade, o primeiro, o segundo…

Da segurança - a segurança potencia e disponibiliza para o conhecimento; o conhecimento aumenta a segurança

 

As crianças felizes aprendem melhor.

 

Por outro lado os sinais ou sintomas ligados à atenção e irrequietude, são motivos para uma intervenção pela psicomotricidade, porque aí o movimento é um instrumento de uso e não um problema. Henri Wallon dizia que a criança necessita de se movimentar para poder pensar.

Também as perturbações ligadas ao espetro do autismo, em muitos países, e eu concordo em absoluto, a psicomotricidade é a primeira indicação clínica pois para haver um curso do pensamento organizado é necessário um corpo coeso e bem habitado.

 

 

5 - Há muitos anos que trabalhas com crianças e jovens sendo o espaço escola um espaço que te é muito familiar. Qual a tua visão da escola atualmente e quais os seus principais desafios atuais?

 

As crianças têm evoluído muito, as tecnologias também muito, a velocidade de informação é vertiginosa, mas a escola enquanto instituição não tem acompanhado esse desenvolvimento. Aprendemos muitas coisas fora da escola. A escola não deve ser apenas um espaço para fazer aprendizagens académicas, isso é redutor, é do século passado. É necessário ligar as aprendizagens à antropologia, à evolução da espécie, ao sentido da vida e isso é um assunto que não passa apenas pelos professores e pais.

Há um desencontro estonteante do que se aprende e para que servem essas aprendizagens.

Por outro lado a escola não deve ser vista apenas pelos professores e alunos. Alunos que por vezes deixam de ser pessoas, e são vistos, simplesmente, como máquinas de aprender. São necessários outro tipo de profissionais para que nem os professores se sintam sozinhos e com sentimentos de incapacidade resolver todas as situações emergentes, nem as crianças obrigadas apenas a obedecer.

Por outro lado, os professores necessitam de facilitar as aprendizagens e não fazer delas um problema: é necessário mais tempo para a” ensinagem”, reflexão e aprendizagem.

 

Pretendemos uma escola inclusiva, muito bem, então comecemos pelos professores, que sejam incluídos na escola para criar uma escola segura, que os professores tenham segurança para poderem gostar e ter prazer de ensinar, e não ao contrário, criar instabilidade nos professores.

Vamos começar por aí

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:42

"Ler bem e bem escrever em casa e na escola"

por Maria Joana Almeida, em 10.03.17

Apresentação1.jpg

 

No passado dia 3 de março tive a oportunidade de dar um pequeno contributo sobre as competências de leitura e escrita num encontro intitulado “Ler bem e bem escrever em casa e na escola” na Biblioteca Municipal do Entroncamento.

 

Foto 1.jpg

 

 

Foto 3.jpg

 

foto 4.jpg

foto 2.jpg

Link de acesso audio:

http://www.entroncamentoonline.pt/portal/artigo/joana-almeida-fala-sobre-%E2%80%9Cler-bem-e-bem-esc#.WL2PGwLJ72c.facebook

 

Sem me querer alongar sobre a exposição deixo três considerações que considero fundamentais:

 

 - Ler e escrever são ferramentas de liberdade e é função da escola, em conjunto com a família, permitir tornar-nos mais hábeis nestas competências. Aprender a ler e a escrever requer um ensino explícito e sistematizado existindo pré-competências que são essenciais neste processo: Criar uma ligação afectiva com a leitura; brincar com os sons para aprender a discrimina-los (consciência fonológica) e desenvolver a psicomotricidade (orientação espacial; jogo simbólico; organização perceptiva).

 

- Na entrada para o 1º ciclo é necessária uma leitura individual e flexibilidade por parte do professor de forma a perceber quais as representações sobre leitura e escrita dos seus alunos. É importante aferir os diferentes background para conseguir identificar e antecipar possíveis dificuldades de modo a planear um trabalho com sentido. O ênfase deverá ser formar bons leitores e escritores sendo esta a principal meta de aprendizagem.

 

- A escola tem um papel primordial de promover e nivelar as representações das crianças e de sinalizar, junto dos pais e intervenientes educativos, quais as dificuldades sentidas com o aluno de forma a encontrar a intervenção mais adequada a cada caso. Em complementaridade os pais podem, em casa, realizar atividades que promovam estas competências, nomeadamente: Ler com o seu filho todos os dias numa leitura partilhada; escrever as palavras novas que aprendeu; escrever juntamente textos criativos; fazer diferentes velocidades e tons de leitura; promover a memória fotográfica bem como promover diferentes vivências culturais (outras formas de linguagem).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:43


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

subscrever feeds